Quero engravidar e não consigo: como lidar com problemas de fertilidade?

Muitos casais que sonham em aumentar a família enfrentam dificuldades na hora da concepção. Porém, a demora para engravidar não quer dizer que haja algo de errado com você. Para começar, um casal saudável só tem de 20% a 25% de chance de conceber a cada ciclo menstrual.

Por isso, pode ser que a concepção demore um pouco para ocorrer depois que a decisão de engravidar tenha sido tomada e os métodos contraceptivos tenham sido interrompidos.

A queda acentuada da fertilidade na mulher ocorre em média 13 anos antes da menopausa. Pesquisa com 1.540 casais em que todos conseguiram uma gestação em até 14 meses confirmou a progressiva elevação da taxa de sucesso ao longo dos meses. A frequência de atividade sexual é um fator importante para o aumento da chance de concepção.

O período fértil é na fase pré-ovulatória (5 dias) e no dia da ovulação. Neste período, a maior chance de fecundação ocorre principalmente nas 48 horas antes da ovulação.

A infertilidade é definida quando um casal que mantém relações sexuais sem usar métodos contraceptivos durante 12 meses e não acontece a gravidez. Leva-se em consideração também a frequência das atividades sexuais sem método contraceptivo. É denominada primária se o casal nunca teve gestação e secundária se já teve pelo menos uma gestação.

O risco de infertilidade a partir da idade da mulher varia de 5,7% (20-24 anos) a 63,6% (40-44 anos). Há também um aumento progressivo do número de abortamentos espontâneos, malformações e mortes fetais com a elevação da idade materna.


Causas da infertilidade

A investigação da infertilidade deve ser ampla e realizada no casal, já que podem existir vários fatores interagindo simultaneamente.
Na mulher, as causas de infertilidade podem ser divididas em quatro grupos básicos: problemas na ovulação, alterações nas tubas, dificuldades no útero e a presença de endometriose.

Os problemas de ovulação muitas vezes estão relacionados à síndrome dos ovários policísticos, mas também podem ser causados pelo hipotireoidismo, deficiências enzimáticas e tumores produtores de prolactina e de androgênios.

Já os problemas relacionados às tubas impedem que o óvulo seja fertilizado pelo espermatozoide, o que acontece na obstrução bilateral e nas alterações secundárias a processos inflamatórios.

As alterações uterinas impedem a implantação do embrião na parede do útero e são as menos comuns entre as mulheres. Elas são associadas a miomas, pólipos e malformações. O quarto grupo é formado pelas mulheres que sofrem com endometriose, uma doença cada vez mais comum e que tem alta taxa de recorrência.

Já nos homens, as alterações no sistema reprodutivo podem reduzir a capacidade de fertilização, a quantidade, a forma e a movimentação dos espermatozoides. Entre as principais causas estão os processos infecciosos, a obstrução dos dutos de transporte, as variações hormonais, a exposição a toxinas e os fatores genéticos, além da varicocele, determinada pela presença de varizes nas veias do testículo.


Não consigo engravidar. E agora?

Consultar-se com um especialista em fertilidade é a melhor opção para quem está tentando engravidar há pelo menos 12 meses sem sucesso. É muito importante destacar que a infertilidade não é uma situação vinculada somente à mulher e que deve ser analisada como um desafio do casal.

Converse com o seu parceiro de forma aberta, visite um especialista e evite a ansiedade e o abuso de álcool, tabaco e outras substâncias. Aumentar a família é um processo e existem opções para realizar esse sonho!

FONTES


Duarte Filho OB, Tognotti, Cavagna M. Infertilidade Feminina in Endocrinologia Feminina – 1ª ed. 2016 – Barueri/SP. Editora Manole 2016: 533-551
Practice Committee of the American Society for Reproductive Medicine: Optimizing natural fertility. Fertil Steril. 2008;90:S1
Tognotti E. Etiologia In Infertilidade – 1ª ed. Barueri: Editora Manole;2014. p.78.

Setembro/2019. BRWH190854r

confira também