Candidíase é uma das infecções vaginais mais comuns em mulheres. Saiba como reconhecê-la e tratá-la

A candidíase é uma infecção por fungo muito comum entre as mulheres, sendo que 85% dos casos da doença são causados pela Candida albicans. Curiosamente, este fungo pode ser encontrado em vaginas normais. Havendo um ambiente quente, úmido, menos ventilado e ácido, o fungo encontra condições favoráveis para multiplicação e invasão da parede vaginal, provocando a doença.

Estima-se que 75% das mulheres tenham, pelo menos, um episódio da doença na vida. Entre 40% e 45% de nós vão enfrentar o problema mais de duas vezes ao longo da vida. 5% das mulheres, porém, passam por isso múltiplas vezes ao ano. Cerca de 40% das gestantes sofrem com, ao menos, um episódio durante a gravidez.

Até 20% de todos os casos de candidíase são complicados e merecem maiores cuidados médicos. Os sintomas mais comuns são: aparecimento de secreção vaginal branca leitosa e grumosa, ardência na vagina e desconforto durante a relação sexual.

Alguns fatores aumentam o risco de candidíase, como o uso de hormônios femininos, o aumento da umidade vaginal, além da redução da imunidade e da quantidade de lactobacilos, bactérias que aumentam a acidez local e equilibram a microflora vaginal.

Para a prevenção, a melhor solução é a mudança de hábitos. Reduza a ingestão de carboidratos (açúcares) e laticínios, evite o uso de calcinhas e cintas de tecido sintético, bem como roupas justas, que retém calor e umidade, reduzindo a ventilação. Cuidado também com toalhas e roupas úmidas. Evite o uso frequente de absorventes íntimos e protetores diários.

O tratamento pode ser feito com medicamentos fungicidas: para uso oral (comprimidos) ou vaginal (creme e óvulos), e uso externo de soluções alcalinas para reduzir a acidez.

Além disso, não coce! A infecção pode passar para outras partes do seu corpo, especialmente se sua imunidade já estiver baixa. Evite também ter relações sexuais até terminar o tratamento, já que a infecção pode ser transmitida para o seu parceiro.

Workowski KA, Bolan GA. Sexually transmitted diseases treatment guidelines, 2015. MMWR Recomm Rep. June 5, 2015; 64; (RR3): 1-137

Material destinado ao público geral.

Maio/2019

BRWH190622

confira também