Coceira e corrimento? Saiba o que pode estar por trás disso.

Quando algo não vai bem com a nossa saúde, o corpo emite alguns sinais. A coceira e o corrimento vaginal trazem um desconforto indicando que algo mais sério pode estar por trás desses sintomas físicos. Mas como podemos descobrir o que pode ser?


O primeiro passo é marcar uma consulta para se ter um diagnóstico mais preciso e, então, iniciar o tratamento mais adequado e eficaz. Confira abaixo algumas prováveis causas desses problemas, que podem estar relacionados ou não.


A secreção vaginal natural é variável na quantidade e aspecto, dependendo da idade da mulher, fase do ciclo e se ela está grávida ou não. Mas, esta secreção não tem cor e nem odor. Já o corrimento e a coceira (prurido) podem ocorrer por causas infecciosas e não infecciosas.


Vaginite


A inflamação da vulva e da vagina pode acontecer por diversas causas. As mais comuns são o desequilíbrio da microflora vaginal, infecções causadas por bactérias, fungos e protozoários e até pela redução do estrogênio, comum na pós-menopausa e durante a amamentação. Além da coceira, a vaginite pode vir acompanhada de corrimento, dor durante o sexo, ardor ao urinar e até pequenos sangramentos.


Alergias


O látex presente na camisinha pode causar reações alérgicas. Causando ardência, coceira, vermelhidão, dor e ardor após a relação sexual. Produtos de higiene íntima, sabonete, absorventes, tecidos sintéticos e amaciante de roupa, também podem causar problemas.


Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs)


Algumas ISTs, como herpes genital, gonorreia e tricomoníase também podem causar coceira e às vezes corrimento.


Ressecamento vaginal


A redução da umidade natural da vagina pode causar prurido e lesões na mucosa. Uma forma de contornar esse problema é utilizar hidrantes vaginais.


Higiene


A falta de higiene adequada também pode resultar em coceira na vagina. Por isso, é importante que a região seja lavada diariamente com água e sabão neutro, inclusive após relações sexuais. Além disso, essa região deve estar sempre seca. É indicado o uso de calcinhas de algodão e deve ser evitado o uso de roupas muito apertadas.


Independente da causa, se a coceira ou corrimento for persistente, é imprescindível que você procure o seu ginecologista.


FONTES


Giraldo PC, Beghini J. Higiene Genital Feminina – Orientação para Mulher Moderna. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Farol Editora; 2015
Neves NA et al. Manual de Orientação do Trato Genital Inferior e Colposcopia – Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia – Febrasgo, 2010

Material destinado ao público em geral.
Setembro/2019. BRWH190854q

confira também