Infecção urinária: como evitar e quando procurar um médico

As infecções urinárias ocorrem no sistema urinário, ou seja, nos rins, ureteres, uretra ou bexiga. Estima-se que cerca de metade das mulheres terá ao menos um episódio de ITU (Infecção do Trato Urinário) ao longo da vida, e a chance de contágio é, para as mulheres, 50 vezes maior do que para os homens. Por isso, é preciso tomar alguns cuidados.


Tipos de infecção urinária


Muito frequente entre as mulheres, as infecções urinárias são causadas, na maioria dos casos, por bactérias intestinais. As relações sexuais e a higiene inadequada são as principais formas de contaminação. As infecções baixas ocorrem na uretra e na bexiga e são chamadas de uretrites ou cistites. Já a pielonefrite é uma infecção alta que atinge o rim.

Essa é a mais grave, comprometendo o funcionamento do rim e podendo causar insuficiência renal. Quando não adequadamente tratada, ela pode se espalhar pelo organismo através do sangue podendo levar a um quadro grave denominado septicemia.


Sintomas


Os principais sintomas nas infecções baixas são: ardência e dor ao urinar, dor pélvica e “urgência miccional” (necessidade urgente de urinar). Os sintomas podem variar de acordo com o local da infecção e a sensibilidade à dor e ao desconforto de cada pessoa.


A maior parte das infecções urinárias são causadas por bactérias intestinais. A proximidade entre a uretra e o ânus facilita a contaminação.
A retenção da urina (manter bexiga cheia), a baixa ingestão de líquidos e a atividade sexual podem contribuir para o agravamento do quadro. O rápido diagnóstico e tratamento podem impedir a progressão da infecção e os riscos de complicações.


É importante lembrar que nem toda queixa de ardência e dor para urinar é uma infecção urinária. Nesses casos, evite a automedicação e procure um médico!


Infecção urinária na gravidez


As infecções urinárias são mais frequentes e podem ser mais graves durante a gestação. As alterações anatômicas e fisiológicas, em especial na segunda metade da gravidez, aumentam a retenção da urina. Na hora do tratamento, é importante conversar com o seu médico para que o tratamento seja indicado de forma adequada e efetiva.


FONTES


Foxman B. Epidemiology of urinary tract infections: incidence, morbidity, and economic costs. Dis Mon. 2003; ED49(2):53–70.
Suskind AM et al. Incidence and Management of Uncomplicated Recurrent Urinary Tract Infections in a National Sample of Women in the United States. Urology. 2016; ED 90:50–55.
Badran YA et al. Impact of genital hygiene and sexual activity on urinary tract infection during pregnancy. Urol Ann [Internet]. 2015;ED 7(4):478–481.

Material destinado ao público em geral. Agosto/2019
BRWH190854i

confira também