Conheça as vacinas que você deve tomar antes de iniciar a vida sexual

Antes do início da vida sexual, é importante saber que existem maneiras de se prevenir contra as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e alguns cânceres. Mas não se esqueça: a melhor forma de prevenção continua sendo o sexo seguro, sempre usando camisinha nas relações sexuais.  

Entre as doenças que podem ser prevenidas, temos:

Hepatite B

Causada pelo vírus VHB, a doença atinge entre 350 e 500 milhões de pessoas no mundo.  A contaminação ocorre pelo sexo, secreções, sangue, agulhas e objetos contaminados (lâmina de barbear, escovas de dente, material para manicure, tatuagens e colocação de piercings). O período de incubação varia de 15 a 180 dias e, durante a gestação, o bebê pode ser contaminado pela mãe.

Apenas 30% das pessoas têm o quadro clássico da doença: icterícia (pele e olhos amarelados), urina escura e fezes claras. A maioria apresenta sintomas comuns a outras doenças, como febre baixa, cansaço, falta de apetite, náuseas e vômitos. Alguns casos ficam ativos por anos, sem sintomas, com risco de evolução para cirrose ou câncer de fígado e, em casos extremos, pode levar à morte.

É possível evitar a doença usando camisinha nas relações sexuais, não compartilhando agulhas e seringas, utilizando luvas no contato com sangue e secreções, realizando a esterilização de materiais (manicure e tatuagem) e priorizando a vacinação (indicada para todas as idades) em três doses.

HPV

HPV significa papilomavírus homínis. O vírus tem transmissão sexual, através do contato com a pele ou a mucosa infectada. Também é possível ocorrer a transmissão para o bebê durante o parto. Existem 150 subtipos da doença, sendo que 40 atingem a região genital/anal. Além disso, 12 tipos distintos são relacionados ao câncer.

O aumento de casos de HPV é tão significativo que 7 em cada 10 pessoas terão contato com o vírus durante a vida. Uma pesquisa nacional mostrou que 24% dos jovens são contaminados já no primeiro ano de vida sexual.

Uma das formas de prevenção é a vacina contra o HPV. Produzida através de partículas semelhantes à parte externa do vírus (VLP), não há risco de contaminação através da aplicação.

Atualmente existem dois tipos de vacinas disponíveis no País:

Quadrivalente: a vacina é recomendada em bula para homens e mulheres de 9 a 26 anos, em três doses. Protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18 do vírus HPV, responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo de útero e 90% dos casos de verrugas genitais. A vacinação é feita em meninas de 9 a 14 anos e em meninos de 11 a 14 anos.

Bivalente: a vacina é recomendada em bula para meninas a partir dos 9 anos de idade. São duas doses: a primeira até os 15 anos incompletos e a segunda após essa idade. Ela protege contra os vírus HPV 16 e 18 e, em algumas situações, também contra o HPV 31 e 45. Essa variedade não tem ação contra os subtipos 6 e 11, causadores das verrugas genitais.

Procure um médico e leve a carteira de vacinação para ter as orientações necessárias e fazer a prevenção destas e de outras doenças!

Fontes:

http://www.blog.saude.gov.br/index.php/perguntas-e-respostas/53264-faqms-perguntas-e-respostas-sobre-a-vacinacao-contra-o-hpv. Acesso em: 06.06.2019

http://aps.bvs.br/aps/por-que-meninas-menores-de-14-anos-devem-ser-vacinadas-contra-o-hpv/. Acesso em: 06.06.2019

https://www.minhavida.com.br/saude/tudo-sobre/16656-vacina-hepatite-b. Accesso em: 06.06.2019

Brasil. Ministério da Saúde.  Informe técnico da ampliação da oferta das vacinas papilomavírus humano 6, 11, 16 e 18 (recombinante) – vacina HPV quadrivalente e meningocócica C (conjugada). Edição eletrônica. Brasília: Ministério da Saúde, 2018. Acesso em 06.06.2019. Link: portalms.saude.gov.br/images/pdf/2018/…/Informe-T–cnico-HPV-MENINGITE.pdf.

Material destinado ao público geral. Junho/2019

                BRWH190666

confira também